Luana começou muito cedo, ainda pequena na escola a empreender. Aos 6 anos, montou na escolinha um Clube do Livro, anos depois um Clube de Inteligência, depois um Clube Secreto da Nasa. Não eram só ideias geniais, eram também ideias que faziam os colegas amarem a Luana e sempre estarem ao seu redor.

A mais popular, a mais incrível garota da escola, a “mais que demais” Luana e sua veia empreendedora.

Seus pais contavam orgulhosos aos amigos o destaque que a menina ganhava, seus professores contavam seus casos na sala de aula. Luana se lembra até hoje do que sentia quando ouvia seus pais relatarem seus feitos, era como ganhar um Oscar.

E só havia uma conclusão possível para todos: “Luana vai brilhar, vai longe essa menina”.

Só que o tempo passa… E quando me contou essa história, lá estava Luana em um ponto tão humano da vida: querer empreender e não sair do lugar. Querer retomar toda a ação que um dia já foi sua casa, e nada acontecer. Querer colocar no mundo os projetos que um dia já estiveram em primeiro plano e simplesmente não conseguir.

Um abismo se abre entre o sonhar e o realizar, um abismo entre o planejar e o executar. E Luana, a rainha das invenções incríveis e dos feitos memoráveis, se viu em um terreno desconhecido.

Luana já tinha tentado chorar de tristeza, xingar de raiva, ser mais dura consigo mesma. E não deu. Não deu até que um dia caiu a fica de que não era o xingar, não era a raiva, não era o chicote sobre si mesma que faria a coisa andar, era uma força interna, uma força que chamamos CORAGEM.

……

A dor de saber o caminho e se perceber totalmente sem ação é uma dor muito comum na vida de tantos emprendedores. Sobre esse assunto, você pode se inscrever para receber a aula que preparei sobre “As 4 estações da dificuldade de AÇÃO e os caminhos para entrar em movimento“. Clique aqui para se cadastrar.