Nessa deliciosa entrevista com Helena Guitler, vamos adentrar o mundo da Yoga do Riso.

Mas antes de falar sobre a entrevista, tenho algo a te contar…

Sempre me lembro de um episódio que eu estava com minha família em um hotel fazenda em Minas Gerais, desses lugares que você passa o dia inteiro em atividades e quando chega a hora do café, almoço ou jantar você agradece a vida e sua abundância.

Entre uma e outra atividade, eu e minha irmã jogávamos baralho acompanhadas por um menino pequeno, bem picucho, que devia ter seus 5 ou 6 anos.

Ao se despedir de nós duas ele logo disse apontando para mim: “Você é mais velha que a sua irmã, né?”. Eu fiz que sim, sou dois anos mais velha que a Bruna.

Mas o que me chamou atenção foi ele saber disso e reforçar a diferenciação com aquela pergunta. “Por que você acha que sou a mais velha?”, eu perguntei. E ele me disse: “Porque sua irmã sorri mais”.

Desde lá eu me interessei em perceber minha expressão. Não para sorrir mais, ou para me forçar a sorrir – realmente eu detesto sorrir se não estou com vontade e de fato é algo que deixei de fazer de uns anos para cá. Mas porque é impressionante o quanto uma expressão leve tem o poder de nos fazer parecer mais envelhecidas, mas tristes, mais descontentes, mais mal humoradas. Mesmo quando não estamos!

O Empreendedor e a Terapia do Riso

Para nossa vida empreendedora, na relação que criamos com todas as pessoas com quem interagimos no dia a dia, o cuidado com nossa expressão de leveza é essencial. Nossa expressão não pode dizer algo diferente do que sentimos, essa transparência muda tudo. E só é possível ter uma expressão coerente se nos CONHECEMOS pelas nossas expressões, sendo a principal delas o sorriso.

Foi então que a Helena Guitler apareceu com seu trabalho e como uma bela de uma perspectiva… por isso estamos aqui diante dessa entrevista hoje.

A Helena há uns anos participou do meu workshop Minha Guinada. Ao longo dos últimos anos pude ver sua entrega ao mundo ganhando contornos bem interessantes que me chamam muita atenção. Pude ver nos últimos anos sua timeline se transformando em uma demonstração clara de que havia um mundo por trás do riso e do sorriso que eu desconhecia.

Pela Helena fiquei sabendo que havia essa abordagem mais terapêutica que usa a expressão do sorriso e do riso como uma forma de acesso interior. Com isso, fiquei bastante encantada com essa possibilidade e hoje aqui estamos, nessa curiosa entrevista, conversando sobre esse tema.

Aproveite ao máximo esse conteúdo, amplie suas percepções e exercite por aí.

Paula Quintão. 13 de março de 2019