Esse é um conteúdo elaborado para o Clube dos Impulsionadores 2015.

Hoje vamos falar sobre Procrastinação, essa arte que todos nós dominamos em deixar para depois o que é importante fazer hoje. E empreendedores que procrastinam são empreendedores que realizam menos. Por isso nós precisamos cuidar com atenção e carinho desse “mal que nos persegue”, capaz de nos trazer belas pistas sobre nosso atual momento.

ANTES DE CULPAR A PROCRASTINAÇÃO

Antes de iniciarmos uma batalha contra a procrastinação é preciso fazer algumas perguntas honestas e profundas para nós mesmos.

Procrastinar é deixar para depois o que é importante realizar hoje. Então… quais são as coisas a realizar hoje?

Observe a sua lista de afazeres e metas a cumprir. Tudo o que está aí é realmente fundamental estar?

Por que cada uma dessas ações são importantes?

Essas primeiras perguntas vão fazer você enxergar com mais lucidez a sua lista de afazeres. Às vezes nós nos colocamos em atividade sem sequer perceber o motivo de estarmos envolvido com aquela ação, com aquela demanda.

Agora que você já está consciente da sua lista de afazeres realmente importantes, é hora de olhar para os motivos que fazem você adiar a ação:

  • Por que estamos adiando tanto a ação?
  • Por que estamos deixando essa atividade para depois?
  • Por que não estamos realizando?

Depois de chegar a essas respostas que exigem de você um processo de autoconhecimento, temos mais de meio caminho está andado. Isso porque nós somos muitas vezes apunhalados por um processo de “tem que fazer” que não tem fim.

~ basta começar a perguntar para as respostas chegarem  ~

Portanto, antes de falarmos mal ou bem da procrastinação é preciso observar a lista de afazeres para entender o que está nessa lista e por que estamos adiando realizar.

Excelente.

Feito esse exercício, assim sim podemos falar de procrastinação.

DEIXAR PARA DEPOIS O IMPORTANTE

Quando deixamos de realizar o que é importante para nossas vidas estamos, na verdade, com foco em outros benefícios que são igualmente importantes para nós. Por exemplo… é segunda de manhã e você se propôs a fazer uma longa caminhada logo cedo. Essa caminhada, você sabe, vai fazer muito bem para sua saúde e melhorar seu condicionamento físico, você vai passar o dia mais bem disposto e com isso suas atividades serão realizadas com muito mais energia. Mas a cama está tão boa que você não consegue levantar e diz para si mesmo “vou caminhar à noite”.

Ou seja, naquele momento você pesou duas medidas: o conforto do momento presente com o conforto do momento futuro. E priorizou o conforto do momento presente.

E aí aconteceu algo que chamamos de procrastinação =)) pois você deixou de realizar aquilo que tem grande valor para suas metas e priorizou aquilo que tem importância para o seu momento presente.

Que mal há nisso?!

Nenhum mal se você realmente estiver feliz com esse resultado. Ficar feliz no presente com sua cama macia e seu corpo sedentário. Se essa for a sua meta, não temos problema nenhum.

O problema é quando suas ações não condizem com suas metas.

Você faz a escolha de ficar na cama, tudo bem. Mas está ainda querendo como resultado um corpo em movimento e condicionado? Impossível! Portanto, você está a procrastinar.

Da mesma forma você pode fazer com as tantas atividades que faz durante o dia.

Tem 100 emails novos para responder, mas prefere dizer para si mesmo “vou cuidar disso quando tiver mais tempo”. E então os emails continuam a se acumular até que virem 200 e você precise de mais tempo ainda para cuidar.

Tem que fazer?

Faça.

Aprendi essa lição quando estava na função de coordenação do curso de Publicidade e Propaganda em Juiz de Fora. Eu dividia a função com um outro professor, Ricardo Bedendo. Ele era o coordenador geral e eu coordenava a área de Publicidade e Propaganda. E como aprendi com ele. Era incrível.

Tudo o que ele tinha para resolver, qualquer problema que fosse, ele resolvia na hora. “Tem que fazer? Então vou cuidar agora”.

Às vezes estávamos no meio de processos longos e tensos, chegava mais uma “bomba”, como ele costumava chamar os problemas, então ele parava, pensava, observa o que era importante fazer, como fazer, quando fazer e então agia.

Era sempre assim.

Aprendi com ele a arte de abrir emails e responder imediatamente, a dar solução para os problemas. Simplesmente fantástico.

Nós sabemos que procrastinar é uma característica humana, cabe a nós vencermos essa batalha interna entre “preciso fazer”…. “mas está tão bom ficar quietinho aqui”.

E uma coisa é certa: quanto mais nos movimentamos, mas a energia flui e mais nós realizamos. Entre em movimento e inicie suas ações a favor de si mesmo.

É PARA FAZER SEM PARAR? NÃO! O ÓCIO CRIATIVO

E aqui está o ponto de sabedoria em meio a essa história.

A arte de realizar tem que vir acompanhada de bons momentos de “não realização”.

Vamos a esse cuidado com nós mesmos…

Há um livro muito bom que você já ouviu falar em algum momento: “O ócio criativo”, de Domenico De Masi.

Nesse livro entramos em contato com uma visão diferente daquela a que estamos habituados sobre a arte de fazer, fazer, fazer, fazer. O Domenico nos convence… e realmente é muito bom que estejamos convencidos disso…. que o ócio é uma maravilha para estimular nossa criatividade, reenergizar nossa mente e espírito, e portanto nos tornar seres que realizam mais.

Tudo bem estarmos em busca do movimento e da não procrastinação. Mas a realização deve vir acompanhada de momentos que liberem nossa mente para o descanso e para o estímulo em outras fontes de energia.

~ basta usar de maneira inteligente seus momentos de ócio ~

Algumas dicas que eu faço e podem ser úteis para você:

  • mantenha-se em contato com imagens estimulantes que mexem com a sua alegria e bem-estar
  • fuja de energias baixas em filmes e reportagens
  • não assista jornal nacional ou leia jornais da cidade. Se quiser assistir ou ler, pule as notícias ruins.
  • mantenha-se próximo a pessoas que tenham bons pensamentos e espírito energizado
  • fuja, com todas as forças, de hábitos reclamões. Quando perceber que está reclamando muito, mude a música interna.
  • cultive uma mentalidade positiva diante da vida.
  • acredite em você e nos seus resultados (o que é o mesmo de cultivar uma mentalidade positiva diante da vida).
  • faça exercícios leves diários, caminhas, mexa o corpo.
  • escreva o que sentir vontade, mesmo que ninguém vá ler.
  • fale sozinho quando estiver sozinho.

Essas pequenas amostras de uso da mente são formas de manter o ócio como um estímulo para sua alma.

Você encontrará mais fontes de energia e quando for hora de entrar em movimento com todas as suas ações da vida empreendedora você terá forças para agir.

Um grande abraço e vamos em frente.

Com carinho,

Paula Quintão.