Empreender é criar asas. Criei essa frase agora ao me questionar o que tem sido, para mim, empreender. Mas empreender não é só colocar as asas nas costas, é também aprender a usá-las e usá-las da melhor maneira.

Tenho tido coragem para muita coisa na vida, mas não acredito que tenha tido coragem ao empreender. Essa coragem me faltou, porque eu não pensei nela quando decidi deixar a carteira de trabalho guardada no fundo de uma gaveta. Eu só agi. Eu não pensei no medo, pensei no caminho.

E aí começou um processo lento de autoconhecimento. Porque quando me vi cheia de certezas, na verdade, estava completamente em incertezas. Toda aquela alegria de um novo caminho foi sendo substituído por preocupações. Havia um colorido que ficou opaco à medida que as dificuldades foram surgindo.

Mas ao colocar os pés no chão, em contato direto com a terra, percebi que a energia é uma só e eu sou parte dela. Dá aquele choque de realidade e contemplação. Somos parte disso tudo.

A verdade é que quem empreende sabe bem a força que coloca diariamente para alcançar seu objetivo. Muitas vezes, é trabalhar mais de oito horas por dia, com uma hora para refeição e 15 minutos para um cafezinho. Outras tantas vezes, é virar madrugadas inteiras e continuar tudo quando o sol raiar. Há os filhos, escola, família, há uma vida para conciliar.

É uma parte do empreender que não é visível, que não é glamorosa e que, certamente, não é lembrada por pessoas que dizem “que sorte você tem!”, quando, enfim, os resultados começam a aparecer.

E, quando muitas pessoas falam em empreender, parece que o empreender não faz parte da vida. O empreender é tratado como algo à parte. Que ledo engano. Assim como tudo na rotina de cada pessoa, empreender é também viver. É intrínseco, como tudo. Não existe nada à parte da nossa vida.

Um tempo atrás, conversando com minha avó, bem próximo da data de seu centenário, eu perguntei se ela achava, na juventude, que viveria tanto. Ela nunca foi de reclamar de nada da vida, mesmo saindo de um seringal no interior do Acre para criar os filhos em Manaus, com o mínimo de dignidade e o máximo de amor que pudera.

Sua resposta foi um ‘dar de ombros’, como quem diz: “que pergunta idiota!” Seguido de um “eu fazia uma ideia”. Na minha insistência, perguntei: “como?” E ela me disse, na sua naturalidade e simplicidade: “eu sempre tive disposição para viver”. Eu calei a minha boca, claro. Porque foi o suficiente para começar a me questionar o quanto eu estou disposta a viver.

(PAUSA aqui para dizer: vovó vai completar 105 em 2017. Está alegre, falante e brincalhona. Super disposta, mesmo com todos os entraves causados pela idade)

Tudo é vida. Desde a hora em que abrimos os olhos pela manhã até a hora em que adormecemos e mesmo durante o sono, tudo o que nos acontece é vida. Tudo o que fazemos é vida. As palavras que dizemos, as roupas que vestimos, as pessoas com quem interagimos, os caminhos que fazemos ao longo do dia, o trabalho que realizamos, as pequenas e grandes escolhas, tudo isso é vida.

Osho diz que as pessoas estão adormecidas. E, se pararmos e analisarmos bem, há quantas pessoas ao seu redor conscientes da vida que levam? Empreender é ser consciente e não há como dissociar isso da vida.

Minha avó me deu uma lição em poucas palavras. Ter disposição para viver é ser consciente de seus atos e celebrar a vida, o ar que respiramos, os abraços que recebemos, o trabalho que realizamos, a família que temos, o amor que damos e recebemos, as pessoas a quem dedicamos atenção e afeto, o céu sobre nós, o chão que nos permite caminhar, a natureza, a chuva, o sol, o frio, o calor…

É tratar a vida sabendo de sua finitude e, sabendo disso, estar disposto a ter a melhor vida que se possa ter. Se a melhor vida que você pode ter inclui empreender da melhor maneira que você sabe ou pode, então, por que não?

Da próxima vez que alguém perguntar como está o seu negócio, lembre-se de responder “como você está celebrando a sua vida?”. Você vai ver que haverá uma grande diferença na sua resposta, mesmo que o foco seja somente o seu negócio.

Com que disposição você coloca energia no que está fazendo vai fazer a diferença nos seus resultados. Com que disposição você coloca energia para viver conscientemente vai fazer diferença na sua vida. A disposição, automaticamente, engloba consciência e celebração.

Empreender é criar asas e saber usá-las para voar por caminhos conscientes. É preciso um bocado de disposição, é verdade.

Para ter disposição é preciso acordar.

Para acordar é preciso se tornar consciente.

Para ser consciente é preciso celebrar.

Como você tem celebrado a sua vida?