EU EMPREENDEDORA:

Sempre gostei de buscar soluções criativas para problemas que surgiam ao longo do caminho. Com 18 anos decidi começar a fazer móbiles de origami para vender e poder fazer minhas viagens de trabalho voluntário nas férias. Sim, enquanto todos os meus amigos viajavam para praias, pro exterior, eu usava minhas férias para fazer o que mais amava, ir de encontro ao outro, fazer minhas viagens para ganhar sorrisos e abraços todos os dias, e que saudade desses sorrisos, dos “tia, amanhã vocês voltam?”, “de que vamos brincar hoje?”.

Foram viagens maravilhosas em que cresci muito como pessoa e conheci. Conheci uma vila no meio da Ilha de Marajó, em que só se chegava de barco e a viagem não era nem um pouco perto, vi búfalos, morei em casas de palafita, dormia em rede e amava tudo isso. Conheci comunidades bem carentes em Natal, tive a grande alegria de conviver com crianças especiais nessas comunidades, uma princesa que tem síndrome de Down e amava me ensinar as coisas, especialmente que lugar de livro não era na estante, conheci também outra princesa que era surda, e eu havia acabado de fazer um curso de libras, a pequena ficava o tempo todo do meu lado, coisa mais linda da vida foi a mãe dela vir e me falar que eu fui a única pessoa que ela conversava.

E desses momentos veio a decisão de que carreira seguir, queria ser Assistente Social e ter esse contato próximo com os que mais precisavam. E lá se foram quatros anos de faculdade, e no meio dela mais uma ideia mirabolante de fazer um novo trabalho voluntário nas férias, mas dessa vez iria um pouco mais longe, em terras porteñas. Foram dois meses trabalhando com meninos em um abrigo, e vendo a cada dia mais a minha vocação de ir de encontro ao outro.

A faculdade termina, mas nem tudo foram flores, não sabia que caminho seguir e o trabalho dentro de empresas não era aquilo que eu sempre tinha sonhado para minha vida. E então o  empreendedorismo entrou na minha vida oficialmente faz em média uns três anos. Já formada e querendo algo mais além do pré-definido pela sociedade do que faz uma Assistente Social. Queria ir além e buscar formas de melhorar a sociedade em que me encontrava. Comecei uma “escola da vida” quando trabalhei por dois anos como voluntária em uma Organização Mundial de Estudantes, que através de intercâmbios sociais e profissionais, e do próprio trabalho na organização traziam um impacto positivo para a sociedade em que estavam.

Foram dois anos de muitos aprendizados. Lá descobri outra grande paixão, o Coaching. Poder ajudar pessoas a se conhecem, e irem em busca de seus sonhos, aquilo era fantástico e fazia meus olhos brilharem. Foi um verdadeiro laboratório em que aprendi sobre gestão de equipes, liderança, organização de eventos, trabalhar com pessoas das mais diferentes culturas e países. Com um projeto já embrionário que intitulei OFICINA DE SONHOS, comecei a sonhar com amigos formas criativas de fazer com que cada vez mais jovens universitários tivessem a oportunidade de se conhecerem melhor e entenderem o que realmente queriam para suas vidas e carreiras. Infelizmente o projeto ficou um tempo parado devido a questões de quilômetros de distancia entre Brasil e México. Mas algumas coisas acontecem em determinadas fases de nossas vidas que nos ajudam a entender melhor o rumo que devemos tomar. Nesse período de pausa comecei a pesquisar mais sobre formar de empreender e como poderia fazer com que o que tenho para compartilhar com o próximo chegassem as pessoas.

Comecei a buscar mais sobre empreendedorismo digital, e conheci a história da querida Paula Quintão, sou extremamente grata por existir pessoas que partilham seus conhecimentos de forma a conseguir reunirem seres realmente especiais ao seu redor, é impressionante como as pessoas certas chegam em nossas vidas no exato momento em que mais necessitamos. Nesse meio tempo comecei a administrar a fanpage sobre bordados e histórias bordadas, da minha mãe, meu maior exemplo de pessoa empreendedora, que começou mudando a vida de algumas poucas pessoas com o bordado e hoje é um grande exemplo para muitas bordadeiras. No inicio fazia somente as artes e com o passar do tempo todas as publicações. Com isso uma nova luz se acendeu e vi que também poderia ter minha própria fanpage de forma a divulgar questões e temas com que mais me identifico, como voluntariado, liderança, viagens que mudam a vida, auto-conhecimento.

Era o inicio da minha caminhada rumo a montanha. Tendo as ferramentas certas, que já buscava a algum tempo, posso ir além, podemos ir além, como diz a Paula. E ter pessoas para compartilhar esse momento tem acrescentado tanto a minha vida que não existem palavras que traduzam o sentimento de gratidão que tempo por cada um. É tão especial poder somar saberes, compartilhar conhecimentos com pessoas que nos inspiram e motivam a cada dia, mesmo que de longe.

O inicio tem sido o mais difícil, buscar conhecer melhor sobre o que quero entregar para a sociedade, buscar conteúdo, temas que possam ser de interesse, pesquisar sobre como divulgar, questões de marketing, buscar sobre que tipo de produto, como posso ajudar as pessoas com o que sei fazer e dessa forma empreender. No meio desse caminho sempre aparecem alguns sabotadores querendo me levar para outros caminhos mais “seguros”. Frases como você podia fazer um concurso, ter uma estabilidade, ter segurança, já não fazem mais sentido pra mim. Quero mudar a minha forma de entregar as minhas paixões para o mundo, quero fazer diferente, quero ir em busca dos meus sonhos e não desistir enquanto não chegar onde desejo, quero poder ter sempre o brilho nos olhos e falar que verdadeiramente amo o que faço e não trocaria por nada isso.

Essa caminhada que está apenas no começo me tem trago novamente o brilho nos olhos, a vontade de entregar coisas que possam mudar vidas de pessoas, especialmente nossas próprias vidas, me faz querer ir além, querer continuar a caminhada mesmo sabendo que o caminho pode ser longo e muitas vezes difícil. Tudo começa com uma decisão e um primeiro passo…e estou dando esse passo…