Esses são alguns dos adjetivos que damos às pessoas que nos chamam atenção.

“Nossa, que criativa!” 
“Você é muito diferente!”

Ou quando gostamos muito de algo.

“Esse é único, ninguém faz igual!”

Desde pequenos aprendemos que tem algo especial nas pessoas únicas.

Todo mundo presta atenção nelas, falam nelas e  tentam copiá-las.

Na infância já começamos a perceber que é um grande desafio o tal do “ser único”. Muitas vezes  já somos podados por padrões em casa e na escola e ser autêntico e único já apresenta os primeiros desafios.

“Essa roupa não está boa”

“Essa brincadeira é de menino (a)“

Na escola segue o padrão: Teste, copiar, repetir…

Somos desencorajados a ser único a ser diferente e muito encorajados a copiar.

Copiar padrões, copiar sucesso.

Começamos a nos esconder em cápsulas, não queremos mostrar nossa sombra, nossos medos, nossa imperfeição.

É melhor mostrar o lado lindo, ás vezes o lado copiado de alguém.

Um cabelo de revista, um sorriso de artista, uma piada pronta de algum humorista.

Tudo, menos ter coragem de mostrar quem sou.

Vamos lá admirar e copiar quem dá certo!

Deixamos de gravar um vídeo, de escrever um post, de dar uma palestra, de mostrar um pouco de nós para o mundo, porque ainda não estamos perfeitos, ainda não estamos prontos. Olha lá, olha aquele pessoal na Tv, no youtube, eles sim, eles parecem prontos.

O que esquecemos é que o imperfeito nos aproxima do outro, pois o outro é real, pessoas reais não são perfeitas.

Pense em alguém que você admira. Minha escolha é Gisele Bünchen, musa mor.

Gisele foi rejeitada inúmera vezes, o nariz grande, sardas, o sotaque, muitas coisas nela não agradavam.

Gisele sabia que não era perfeita, mas estava disposta a mostrar seu lado incrível, mostrou. O foco no trabalho, a simpatia, a humildade, garra e determinação fizeram de Gisele a modelo mais bem paga do mundo.

Não foi o rosto perfeito.

Todos somos imperfeitos e todos temos nosso lado incrível.

O que nos torna únicos, diferentes e criativos é a coragem de aceitar a nossa não perfeição e encarar o mundo com todos nossos pedaços.

Se tentarmos copiar, como foi nos ensinado muitas vezes. Copiar o perfeito do outro, nunca vamos conseguir, o perfeito dele tem muita imperfeição por trás e é isso que o deixa único.

Se copiamos um pouco de cada pessoa que admiramos, somos muito do outro e pouco de nós, daqui a pouco nem você sabe mais quem é.

Ser único e autêntico é em primeiro lugar ter a coragem de assumir todos os seus pedaços.

Não é fácil, pode doer muito não ser o modelo perfeito que você  imaginou para você.

Acredite que se você amar essa sua barriga nada zero,  o cabelo que não está legal, o nariz grande, eles irão te dar força para ser único, é o amor pelos pedaços que torna o todo incrível.

Sua mensagem, sua luz, não pode ser parada porque você não acordou uma Barbie hoje.

Vamos abraçar nossas imperfeições e ter coragem para mostrar nossa luz?